Tainá tem seu próprio jeitinho de criar as histórias. Tudo o que ela precisou foi de uma pergunta, pra provocar a imaginação, e um boa olhada no que estava em volta. Ela já tinha todo o Céu de Papel no objeto que tinha mãos, o vagalume de origami. Que tal usarmos o jeitinho da Tainá para criar nossas próprias histórias?

Para essa brincadeira vamos precisar de uma caixa grande, pode ser de papelão, de plástico, uma mala ou um baú. Dentro dessa caixa vamos colocar objetos variados. Pode ser qualquer objeto de todas as partes da casa, quanto mais variados, melhor. Recapitulando o que é preciso:

  • Caixa.
  • Objetos variados.

Como brincar?

A criança inventa a história enquanto alguém mostra os objetos. Na medida que a criança vai inventando, um objeto por vez é mostrado à criança nos intervalos que o facilitador desejar. A criança deve usar a imagem daquele objeto para continuar a história. Ou seja, a cada objeto mostrado, a criança deve, obrigatoriamente, inseri-lo na história. Os objetos não precisam entrar na história no seu sentido literal, por exemplo, se uma bola é mostrada e a criança, ao olhar a bola, decide que ela será um ovo de dinossauro, tudo bem. Essa liberdade criativa é importante! Para começar, fazemos uma provocação, que pode ser a frase que dá inicio à história, por exemplo:

Era uma vez, em um dia frio…
Era uma vez um canarinho perdido…
Era uma vez uma bota de chuva…
Era uma vez um cometa…

A provocação também pode ser uma pergunta da Caixinha de Perguntas < Clique para saber mais.

A história segue até quando a criança quiser ou, para ajudar, pode-se pedir à criança que finalize a história em determinado momento ao mostrar um ultimo objeto.

O que a criança aprende

Do ponto de vista da linguagem, essa atividade contribui para que a criança faça um uso competente da linguagem, exercitando suas noções de temporalidade (ao narrar acontecimentos em sequência), de ações complexas (cada personagem tem um jeito e uma função) e o seu vocabulário. Além disso, é uma oportunidade de exercitar a imaginação e a criatividade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *